Votação do PLS 555 adiada para 15 de fevereiro

Trabalhadores têm de manter mobilização e enviar mensagens aos senadores para que projeto que abre portas para a privatização seja enterrado definitivamente.PLS 555 - Diga não

O corpo a corpo de dirigentes sindicais junto a senadores, o envio de mensagens de protesto aos parlamentares e a mobilização do Dia Nacional de Luta em defesa das estatais na quarta 3 surtiram efeito. Pela segunda vez foi adiada a votação do Projeto de Lei do Senado (PLS 555/2015) que obriga empresas 100% públicas como a Caixa Federal a se tornarem sociedades anônimas e interfere na gestão das de economia mista como o Banco do Brasil.

O PLS 555 era o primeiro ponto da pauta de votação do Senado nesta quarta, mas foi retirado com previsão de voltar ao debate no dia 15 de fevereiro. Até lá, um grupo de técnicos do Senado e lideranças de partidos deverão apresentar substitutivo ao projeto.

Representantes dos trabalhadores revelam que a elaboração de um substitutivo foi assegurada após reuniões com a senadora Gleisi Hoffmann (PT) e com Roberto Requião (PMDB), na terça 2, em Brasília.

Foi entregue aos técnicos do Senado todas as questões que são consideradas prejudiciais às estatais e aos trabalhadores. Mas não dá para assegurar que esses pontos serão atendidos e, mesmo que tudo seja acatado e aprovado, haverá uma nova votação na Câmara. Então é necessário manter a mobilização.

O movimento sindical defende que seja retirada a obrigatoriedade de estatais, como Caixa e BNDES, tornarem-se sociedades anônimas. Os trabalhadores também querem que caia o veto à participação de pessoas ligadas a sindicatos (inclusive sindicalizados) nos conselhos de administração e nas diretorias das estatais, além do fim da imposição de mudanças na composição acionária das empresas.

Envie mensagens
Não se pode baixar a guarda. É necessário ampliar o envio de mensagens aos senadores, pois apenas a pressão popular conseguirá enterrar de vez esse verdadeiro ataque ao patrimônio público e que abre caminho à privatização da Caixa, do BB, da Petrobras e outras.

A orientação do movimento sindical é que seja enviada a mensagem: “Como nosso representante eleito por voto popular, pedimos que vote contra o PLS 555. Honre o voto recebido nas eleições e seja contrário a esse projeto que é uma afronta aos interesses nacionais”. No assunto escreva #NãoAoPLS555.

Entenda o debate

Foi a segunda vez que a pressão dos trabalhadores evitou a votação do PLS 555. A primeira foi no final de 2015, no último dia de sessão no Senado.

O PLS 555 é junção dos PLSs 167 e 343 – cujos autores são, respectivamente, os senadores tucanos Tasso Jereissati e Aécio Neves – e do anteprojeto apresentado pelos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros, ambos do PMDB.

Fonte: Movimento Sindical

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.