No Santander, avanço nas pautas das mulheres

A segunda rodada de negociação entre a COE (Comissão de Organização dos Empregados) do Santander e a direção do banco, nesta sexta-feira (12/08), terminou com avanços referentes à pauta específica das mulheres. Os temas voltam a ser discutidos na reunião de terça-feira (16/08).

Uma das vitórias é referente à extensão do período de amamentação de 9 para 12 meses. Com o direito, a mãe pode sair mais cedo para amamentar o filho. A decisão é totalmente essencial para a saúde do bebê e para o fortalecimento dos vínculos entre mãe e filho.

A prevenção e o combate ao assédio sexual, com políticas contundentes e firmes nas dependências do banco, foi outro ponto com avanço. Será construído agora um termo de relações trabalhistas para o Santander se posicionar e estabelecer um código de conduta claro.

Para os representantes dos bancários, a proposta de inclusão do termo no aditivo reforça a luta permanente dos sindicatos de combate e prevenção à prática.

A negociação acabou com conquista em relação à criação de um termo sobre o combate à violência contra mulher. Além da importância do debate, que também acontece na mesa da Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), o Santander enviará proposta de termo com condições e garantias para as vítimas de violência, garantindo o afastamento dos locais de trabalho. Também vai disponibilizar materiais do movimento sindical e de entidades que tenham credibilidade no assunto.

Emprego
Sobre emprego, o Santander deixou a desejar. A COE cobra mais contratações de bancários, mas o banco tem contratado, sobretudo, terceirizados. A Comissão quer números e detalhamento das contratações.

Fonte: Movimento Sindical