iFood tenta esvaziar greve de entregadores, que é mantida parcialmente

Diante do anúncio da greve dos entregadores neste dia 1º, o iFood injetou dinheiro em uma promoção para esvaziar a mobilização em São Paulo, segundo denúncia dos próprios trabalhadores. E anunciou uma promoção: até as 13h59 a taxa de entrega por quilômetro passa de R$ 1,50 para R$ 3. Muitos entregadores, em mobilização justamente pelos ganhos tão baixos, preferiram trabalhar para não perder esse acréscimo.

“Triste realidade do trabalhador que precisa colocar comida na mesa e infelizmente tem que aceitar uns trocados a mais. iFood deveria ter vergonha de desmobilizar a greve em vez de realmente aceitar dar melhores condições para um trabalho mais justo”, disse o presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro, Márcio Ayer, nas redes sociais.

Mesmo assim trabalhadores fizeram ato diante da sede da plataforma de entregas em São Paulo, explicando a situação da categoria e em solidariedade a outros trabalhadores em greve, como os garis do Rio de Janeiro.

A greve, no entanto, segue em várias localidades, com apoio da opinião pública e até de algumas autoridades. “Hoje é dia do #apagaodosapps, dia de paralisação dos entregadores por aplicativo que pedem maior remuneração e condições de trabalho justas! Não peçam por app hoje para fortalecer a luta!”, publicou em seu Twitter a vereadora Erika Hilton (Psol), presidenta da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de São Paulo.

O movimento dos entregadores

Os entregadores reivindicam, entre outras coisas, a desobrigação de agendar previamente o horário de trabalho; o fim de duas ou mais entregas em uma mesma corrida; que o atendimento deixe de ser feito por robôs; o fim dos bloqueios não justificados; a distribuição de pedidos de maneira igualitária entre as modalidades de entregadores e que as taxas sejam reajustadas anualmente.

Fonte: RBA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.