Financiários rejeitam proposta da Fenacrefi

FinanciáriosÍndice de 7,86% apresentado para reajuste salarial não cobre nem a inflação do período e foi rechaçado na mesa de negociação.

Desrespeito com os trabalhadores. Este é o resultado da segunda rodada de negociação com a Fenacrefi, realizada nesta terça-feira 2, em São Paulo.

Pauta resumida dos financiários

A Federação das Financeiras apresentou a proposta de reajuste de 7,86% para as cláusulas econômicas (correspondente a 80% do INPC de 9,83%, referente a junho/2016). O índice está muito aquém da reivindicação dos financiários, de reposição da inflação, mais 5% de aumento de real, e foi rejeitado, pelos representantes dos trabalhadores, na própria mesa de negociação

A Fenacrefi propõe a correção dos pisos e salários com índice absolutamente rebaixado que aponta para perdas futuras. Foi recusado, evidentemente, e a negociação continua. É esperado que vá prevalecer o bom senso na reposição das perdas inflacionárias do período.

“Não há condições de aceitar este índice, abaixo da inflação, rejeitamos na hora. Sabemos que a Fenacrefi tem amplas condições de atender os financiários”, afirmou Jair Alves dos Santos, dirigente sindical e coordenador da Comissão de Organização dos Financiários.

Katlin Salles, dirigente sindical, ressaltou que categoria está muito mobilizada neste ano, marcado pela 1ª Conferência Nacional dos Financiários, no mês de maio, a qual aprovou a minuta e definiu os rumos da campanha.

“A nossa conferência conseguiu discutir uma minuta que reflete as demandas dos financiários. Citamos pontos importantes, que não se resumem, apenas, aos índices de reajustes. Temos reivindicações de saúde, de condições de trabalho e combate à terceirização. Não vamos aceitar retrocessos”, reforçou a dirigente.

A rodada seguinte de negociação está marcada para 23 de agosto, na sede da Fenacrefi, em São Paulo.

Fonte: com seeb SP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.