Dívida no rotativo do cartão de crédito sufoca os mais pobres

Quase metade dos brasileiros com dívida no rotativo do cartão de crédito, a linha de financiamento mais cara do sistema financeiro, tem renda mensal de até três salários mínimos (R$ 2.364).Cartão de crédito cortado

O dado faz parte do Relatório de Inclusão Financeira do Banco Central de 2015, que mostra o cenário no fim de 2014. O estudo mostra que 45% dos endividados no rotativo estavam na faixa de até três salário mínimos.

A inadimplência nessa faixa chega a 47%, acima da média de 37% entre todos os tomadores desse crédito.

Para o BC, o avanço da renda na última década levou grande parte da população a ter acesso a cartões. “No entanto, muitos consumidores não encontram equilíbrio no uso do cartão, que ora é um mero instrumento de pagamento, ora um instrumento de dívida, levando a situações onerosas de endividamento e inadimplência”, diz o estudo.

Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor-executivo da Anefac (associação dos executivos de finanças), diz que o aumento dos juros e o do desemprego neste ano devem deixar esses consumidores ainda mais endividados no cartão.

Levantamento feito pela associação mostra que a principal destinação do 13º salário neste ano será para pagamento de dívidas no cartão de crédito. “É uma boa oportunidade para pagar essas dívidas. Mas não tem de esperar o 13º. Entrou no rotativo, procure o banco e negocie.”

ATRASO 
A entrada no rotativo, na maioria dos casos, já configura uma situação de atraso. Essa dívida pode ser originada no pagamento atrasado de uma fatura ou quando o cliente não consegue quitar o mínimo obrigatório de 15% do gasto mensal. Quando o atraso supera 90 dias, o cliente se torna inadimplente.

Os juros do rotativo, que em setembro estavam em mais de 400% ao ano, em média, também incidem sobre os saques feitos no cartão de crédito. Quando o cliente paga o mínimo da fatura e parcela o restante, os bancos cobram uma taxa menor, de 129% ao ano, em média.

Em setembro deste ano, o estoque de dívidas no rotativo estavam em R$ 32,9 bilhões, 13% maior que um ano antes. Todas as linhas de financiamento ao consumo cresceram 4% no período.

Junto com o cheque especial, essa linha responde por cerca de 10% do crédito às famílias. “Essas modalidades, aparentemente pouco expressivas, merecem atenção especial, pois, apesar de apresentarem custo elevado, são de fácil acesso, o que facilita o endividamento”, diz o relatório do BC.

O estudo mostra ainda que, do total de 56 milhões de tomadores de crédito no final de 2014, considerando todas as modalidades, 34 milhões estavam na faixa de renda de até três salários.

– 1- Por que utilizar o rotativo do cartão de crédito é um problema?

O crédito rotativo tem a taxa mais alta do mercado, segundo o Banco Central. Em setembro, estava em 414,3% ao ano. Conforme estimativas do BC, o uso do crédito rotativo durante um ano pode quintuplicar a dívida

2- Não consegui pagar o valor integral da fatura, o que devo fazer?

Especialistas em finanças pessoais recomendam que o consumidor negocie com o banco e contrate uma linha com taxas mais baratas, como empréstimos pessoais e consignado para quitar a dívida do cartão

3- Por que as pessoas utilizam o rotativo mesmo com as taxas tão elevadas?

A facilidade é a principal explicação, porque o limite de crédito do cartão é pré-aprovado. A principal recomendação é não utilizar o cartão de crédito como uma extensão da renda mensal para evitar extrapolar o orçamento.

Fonte: Folha.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.