Direção da CEF recebe Pautas Específicas da Campanha

caixa - fig cheia e grande 1Os representantes dos empregados da Caixa entregaram à direção do banco, nesta terça-feira (9), na sede da Federação dos Bancos (Fenaban), a minuta de reivindicações específicas da Campanha Nacional 2016. Não foi agendada data para a primeira negociação.

Os pilares de mobilização no banco público são: nenhum direito a menos, por condições dignas de trabalho e em defesa da Caixa 100% pública. Mas para conseguir a vitória é fundamental que os empregados se engajem na luta ao lado de companheiros de outros bancos. A Campanha Nacional Unificada já deu provas de ser a maior arma para obter conquistas específicas e gerais e tem de ser cada vez mais fortalecida.

O ambiente entre os empregados é de grande insatisfação, com os recentes ataques a segmentos importantes como a extinção da função de caixa, a sobrecarga de trabalho para tesoureiros, a tentativa de retirada de adicional por insalubridade dos avaliadores de penhor, o desvio de função de técnicos bancários, além da restrição de incorporação de comissão pelos trabalhadores.

No caso da Funcef, está sendo cobrado que a direção da Caixa cumpra compromisso assumido na Campanha Unificada do ano passado de criar um grupo de trabalho para debater e apresentar soluções para questões relativas à fundação. O principal problema se refere ao contencioso judicial, provocado por ações trabalhistas contra o banco. São recursos bloqueados que não podem ser utilizados pela Funcef. Numa situação provocada apenas e tão somente pela Caixa.

Além de discutir o contencioso, os empregados querem na Funcef a manutenção do Fundo para Revisão de Benefícios; e que  a Caixa arque com 100% do déficit causado nas situações em que foi utilizado o voto de Minerva. Além disso, o fim desse voto.

Condições de trabalho – Além do respeito aos direitos dos trabalhadores, mais contratações de bancários, também está sendo reivindicado que a pausa de dez minutos a cada 50 trabalhados seja estendida a todos que fazem atendimento ao público, lidam com entrada de dados ou têm movimentos repetitivos.

Investimento maior da Caixa na Gilog (Gerência de Logística) e demais áreas que dão suporte às unidades. Uma das medidas seria que todos os estados passem a ter setores com essa atribuição.

Outra exigência é que toda hora extra feita deve ser paga, com o fim do banco de horas, do descomissionamento arbitrário e da GDP (Gestão de Desempenho Pessoal).

Saúde – Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho (Sipat) seja  organizada conjuntamente pelo Sindicato e a Cipa (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes). Com toda a infraestrutura sendo garantida pela Caixa. Abertura obrigatória de CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho), em até 24 horas, para todos os trabalhadores lotados na unidade, nas ocorrências de assalto.

Saúde Caixa – Conselho de Usuários passe a ter caráter consultivo; fortalecimento dos comitês de acompanhamento de rede credenciada, incluindo custeio pela Caixa de despesas com viagens dos integrantes.

Saúde do trabalhador – Pausa de dez minutos a cada 50 trabalhados estendida a todos que fazem atendimento ao público, trabalham com entrada de dados ou têm movimentos repetitivos.

Sipat (Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho) organizada conjuntamente pelo Sindicato e a Cipa (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes). Com toda a infraestrutura sendo garantida pela Caixa.

Abertura obrigatória de CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) no prazo de 24 horas para todos os trabalhadores lotados na unidade, nas ocorrências de assalto.

Negociações – As negociações específicas com a Caixa Federal ocorrerão simultaneamente às gerais da categoria com a federação dos bancos (Fenaban).

Funcef – Manutenção do Fundo para Revisão de Benefícios, com o banco público arcando com 100% do déficit causado nas situações em que foi utilizado o voto de Minerva. Além disso, o fim desse voto.

Para as agências as propostas são: fim do caixa minuto; manutenção da função de caixa; pagamento integral das funções; garantia da substituição para todos os cargos, independente da causa ou período de afastamento. Revisão do conceito de “agência deficitária”.

Outras exigências – Toda hora extra feita deve ser paga, com o fim do banco de horas, do descomissionamento arbitrário e da GDP (Gestão de Desempenho Pessoal).

Reestruturação
 – Toda e qualquer reestruturação deve ser debatida previamente com a Comissão Executiva dos Empregados (CEE).

Defesa do banco público – Campanha permanente das entidades representativas dos empregados pela manutenção da Caixa 100% pública como instrumento de fomento à economia, implementação de políticas públicas, e agente de regulação e moderação do Sistema Financeiro Nacional.

Fonte: Movimento Sindical

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.