Dia Internacional da Mulher

Dia Internacional da MulherUm mês de luta por igualdade de gênero, por igualdade nos salários, pelas relações compartilhadas, pelo fim da violência e por algo que se não existir, nada disso será conquistado: a democracia! No Dia Internacional da Mulher o motivo maior das manifestações será esse.

Milhares de mulheres trabalhadoras sairão às ruas em todo o país na terça-feira 8 para reivindicar a garantia e avanços nos direitos conquistados nos últimos anos.

“Nós mulheres não podemos achar que as conquistas são definitivas, temos que estar atentas e em permanente vigília para garantir a continuidade e lutar por avanços, principalmente neste momento tão delicado da democracia brasileira,” lembrou a vice-presidenta da CUT, Carmen Foro, referindo-se aos ataques contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, contra a presidenta Dilma e contra os direitos dos trabalhadores conquistados no país.

Segundo ela, se a ordem democrática for quebrada, como pretendem setores do judiciário e da mídia, as atuais conquistas estarão sob sério risco. “A democracia está em jogo no país. Os movimentos sociais, sindicais e populares estarão juntos conosco na luta desta terça. É momento de unidade e de luta para enfrentarmos os que não se preocupam com o país e com a classe trabalhadora”, completou.

Uma das principais bandeiras das mulheres trabalhadoras neste ano é a possível Reforma da Previdência, em que um dos pontos é a equiparação da idade mínima de aposentadoria entre homens e mulheres.

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) feita entre os anos de 2004 e 2014 com 150 mil famílias, comprova que a mulher, apesar de ser maioria na população e no mundo do trabalho, continua ganhando menos e trabalhando mais. A dupla jornada feminina aumentou uma hora e agora elas trabalham cinco horas a mais do que eles.

A estatística também mostra que, enquanto a jornada de trabalho masculina fora de casa caiu de 44 horas para 41 horas e 36 minutos por semana, a carga horária dedicada ao trabalho doméstico manteve-se estável. Ou seja, o tempo livre não foi revertido em maior dedicação ao lar. Nesse mesmo período de 10 anos, a mulher manteve uma média de jornada de trabalho fora de casa de 35 horas e meia, mas ainda continua ganhando 24% menos que os homens – e acumulando tarefas domésticas.

“Os dados demonstram claramente que a desigualdade entre homens e mulheres ainda é gritante. É inadmissível igualar a idade mínima para a aposentadoria”, explicou a secretária Nacional da Mulher Trabalhadora da CUT, Junéia Batista.

Fonte: Movimento Sindical

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.