Bancos integram setor com maior lucratividade

O setor bancário continua sendo o de maior lucratividade no Brasil. É o que aponta estudo da consultoria Economatica. No primeiro trimestre deste ano, 21 bancos de capital aberto fecharam com R$ 14,3 bilhões de lucro. Mesmo havendo queda em relação aos R$ 17,87 bi do mesmo período de 2015 – principalmente em função do aumento da despesa com provisão para devedores duvidosos (PDD) –, o setor continua nadando de braçada na economia nacional.

Os números dos balanços dos três maiores privados ilustram essa pujança: o Bradesco fechou o semestre com lucro de R$ 8,27 bi e o Itaú com R$ 10,73 bilhões. O Santander viu seu resultado aumentar 4,8% em comparação aos seis primeiros meses de 2015, batendo a casa dos R$ 3,46 bi.

Não tem crise para banqueiro, não pode ter crise para bancário. Apesar disso, esses mesmos bancos que somam resultados tão expressivos, acabaram com quase 9 mil postos de trabalho [na comparação entre o primeiro semestre de 2015 e o de 2016] e fecharam 302 agências [só o Santander abriu 4]. Mantêm seus altos ganhos sacrificando empregos e o atendimento à população. A Campanha Nacional Unificada 2016 vai, mais do que nunca, questionar essa atuação e cobrar das instituições financeiras o papel social previsto na Constituição e que devem aos cidadãos.

Nos próximos dias, será entregue à federação dos bancos (Fenaban) a pauta de reivindicação da categoria, inclusive a específica do Banco do Brasil e da Caixa.

Cada trabalhador tem de fazer sua parte. Acompanhar de perto as notícias, participar de todas as mobilizações promovidas pelo seu Sindicato, conversar com os colegas no local de trabalho.

Será uma grande luta. Este ano todos os trabalhadores com campanhas salariais no segundo semestre estarão unidos em torno não só dos seus aumentos salariais, de suas pautas de reivindicações, mas contra a retirada de direitos. Os trabalhadores não devem aceitar a terceirização, a precarização dos empregos, o desrespeito às conquistas previstas pela CLT, ou qualquer reforma da Previdência que aumente a idade mínima da aposentadoria de homens e mulheres que há tantos anos pagam suas contribuições e merecem respeito.

Fonte: Movimento sindical

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.