Aumento na cesta básica continua e supera mínimo bruto

A Fundação Procon-SP realiza todo mês pesquisa da cesta básica de alimentos e outros itens. O levantamento é feito em parceria com o Dieese, que pesquisa in loco. Em maio, a cesta subiu 1,36%. Passou pra R$ 1.226,12 ante R$ 1.209,71 em abril. Diferença de R$ 16,41. O mínimo atual está fixado em R$ 1.212,00.

De dezembro a maio, a cesta teve alta de 12,69%. Nos últimos 12 meses, aumento de 18,07%. No período, os três produtos que mais inflacionaram foram café em pó, 95,60%; batata, 70,04%; e bolacha água e sal, 48,84%.

Diferente da cesta pesquisada em 17 Capitais pelo Dieese, com 13 itens, a do Procon-SP tem 39, incluindo produtos de higiene pessoal e limpeza. Na alimentação, pra comprar o básico a uma família de quatro pessoas, foi preciso desembolsar R$ 1.069,58, em maio.

Segundo o diretor-técnico do Dieese, Fausto A. Junior, a cesta aumenta conforme se acelera a inflação, turbinada pelo preço dos alimentos, combustíveis e energia elétrica. “No caso dos alimentos, dois fatores elevam o preço. A seca, que afeta produtos como feijão e hortaliças, e o câmbio, que puxa itens referenciados pelo dólar, como soja, trigo, arroz e carne”, ele explica.

JUROS – Na última semana, o Banco Central aumentou a taxa Selic pra 13,25%. A Petrobras subiu 5,18% a gasolina e 14,26% o diesel. Esses aumentos impactarão os preços dos alimentos, além de produtos de limpeza e higiene pessoal. Serviços também.

De acordo com o economista Rodolfo Viana, do Dieese, o aumento da Selic costuma demorar um pouco mais pra ser sentido nas prateleiras dos mercados. “Mas, como esses aumentos têm sido frequentes, a cesta básica, nos próximos meses, será atingida”, afirma.

Pesquisa – Clique aqui e acesse a pesquisa do Procon-SP.

Fonte: Agência Sindical