Aposentar mais tarde e com jornada maior: é a reforma trabalhista dos golpistas

A precarização das condições de trabalho dos brasileiros para agradar empresários nacionais e estrangeiros está em curso no governo Temer. Ontem, seu ministro do trabalho, Ronaldo Nogueira, deixou claro que os golpistas vão formalizar a jornada de 12 horas diárias de trabalho – isso mesmo, quatro a mais do que hoje. Com a má repercussão e o medo de que essa assustadora reforma trabalhista amplie ainda mais os protestos diários ´Fora Temer´, o ministro voltou atrás e disse que não haveria alteração de jornada. Mas já tinha falado o suficiente para que os trabalhadores brasileiros entendam o que deve vir pela frente.

“Flexibilizar os direitos trabalhistas, impor a aposentadoria mais tarde, desrespeitar o que é lei e foi duramente conquistado. É essa a reforma trabalhista dos golpistas, só precarizando e piorando a vida do povo brasileiros”, afirma a coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, Maria Rita Serrano. Para ela, é preciso que os movimentos sindical e social se mantenham atentos para reivindicar e esclarecer os trabalhadores sobre o que está ocorrendo no Brasil. Além da jornada, a reforma deverá prever dois novos tipos de contratos de trabalho, por hora e produtividade.

A disputa de informações vai pautar o tema da reforma trabalhista até o final do ano, já que o governo golpista deverá lançar, no próximo dia 20, uma grande campanha publicitária para defender as mudanças na Previdência. “É claro que virão com justificativas de que o sistema previdenciário já não se sustenta, ou que flexibilizar vai gerar mais empregos. Por isso é preciso buscar informação confiável em publicações de sindicatos e entidades que defendem o interesse do trabalhador, e não o dos patrões”, reforça Rita Serrano. 

Fonte: Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.