14/05/19 Opinião

A política econômica do nada, por André Motta Araújo

Não há maior perigo para a gestão da politica econômica do que o “economista de cartilha”, que leva o País ao abismo para provar que a cartilha está certa. É o que temos hoje com Paulo Guedes, um mega exemplo do trem a caminho do precipício

Por Andre Motta Araujo

No ultima dia 11, o programa Painel da GloboNews apresentou um curioso debate entre um economista neoliberal absoluto, Marcos Mendes, ex-chefe da assessoria econômica do Ministro da Fazenda Henrique Meirelles, e o prof. José Francisco de Lima Gonçalves, da USP, representante da escola “paulista” de pensamento econômico, em contraposição ao credo da Escola de Economia da PUC-Rio, catedral do neoliberalismo carioca e suas ramificações no Instituto Millenium, na Casa das Garças e no Instituto von Mises, todos no Rio, mantendo a tradição anti-desenvolvimentista que vem de Eugênio Gudin contra a linha progressista de Roberto Simonsen, que nos anos 40 representava a visão econômica pro desenvolvimento dos paulistas.

No debate, Mendes defendeu que não há política econômica alguma a fazer fora das reformas e da “melhoria do ambiente de negócios”, além de privatizações e concessões, no super desgastado receituário da Escola de Chicago, que tal qual o positivismo, só tem crentes no Brasil.

De outro lado, Lima Gonçalves disse que é preciso fazer politica econômica, no conceito amplo da palavra, com uma agenda de relançamento da economia.

Mendes retrucou que a causa da atual recessão é o governo Dilma, portanto não há nada a fazer, porque qualquer coisa que se faça seria a repetição do governo Dilma. A pobreza dessa crença é de tal ordem que ficou difícil sequer continuar a discussão.  O velho cajado do pensamento binário, ou é isso ou é aquilo, contra o qual não se discute, a obtusidade impera, a limitação intelectual fecha o debate, só há duas opções no mundo. Seria curioso saber o que Mendes pensa da China, que não faz reformas, privatizações ou concessões e cresce com planejamento de Estado.

CURTO PRAZO E LONGO PRAZO

Mendes vê esperanças de crescimento após as reformas e a “melhoria do ambiente de negócios”, mas isso vai demorar, ele mesmo confessou.

Quanto vai demorar, cinco, dez anos? Ora, disse Lima Gonçalves, minha preocupação é com 2019, com o próximo Natal, se não há curto prazo, não haverá longo prazo, o que é óbvio até para uma criança mas não para Mendes. Se atravessarmos dez anos mais de recessão para então chegar a bonança do crescimento, pelo caminho o Pais já acabou pelo desmanche dos sistemas de saúde, educação, pelo inevitável aumento exponencial do crime resultante da inexistência de empregos por décadas, desestruturação das famílias e das condições minimas de sobrevivência.

POLITICA ECONÔMICA NÃO É ‘MODELO, É PILOTAGEM DIA A DIA

O problema de economistas de “escola” é que usam um só remédio para múltiplas doenças. Esse tipo de pensamento de “escola” não serve para comandar a economia de um grande Pais, razão pela qual os Estados Unidos JAMAIAS tiveram sua economia dirigida por “escola” de pensamento econômico, o comando sempre foi ECLÉTICO, dia a dia, já apontei em artigo anterior a trajetória de dois Secretários do Tesouro recentes em épocas de prosperidade, Donald Regan e James Baker, nenhum dos dois economista, eram advogados e OPERADORES POLÍTICOS, como nossos grandes Ministros da Fazenda.

Não há maior perigo para a gestão da politica econômica de um grande País do que o “economista de cartilha”, que leva o País ao abismo PARA PROVAR QUE A CARTILHA ESTÁ CERTA. É o que temos hoje com Paulo Guedes, um mega exemplo do trem a caminho do precipício, mas sempre seguindo a cartilha.

AS RIDÍCULAS PREVISÕES DO BOLETIM FOCUS

https://jornalggn.com.br/crise/boletim-focus-e-os-rentistas-de-miami/

Já cansei de escrever aqui a incompatibilidade com a inteligência apresentada por “economistas de mercado” que fazem previsões. Mandam as previsões para o famigerado boletim FOCUS do Banco Central – que raramente combinam com a realidade, mas ganham bons salários, 30, 40 50 mil?

Há seis meses previam crescimento do PIB entre 2,5% a 2,8% para 2019, agora já refazem para dizer que mal chegará a 1%.

Mas como poderia haver crescimento de 2,5 a 2,8% sem NENHUMA politica de crescimento, quer no governo Temer, quer no governo Bolsonaro, ambos com a mesma NÃO POLITICA, a politica de não fazer nada? Entre Meirelles e Guedes há apenas uma diferença de tempero: Meirelles é mais educado.

CORTAR, CORTAR, CORTAR até o cavalo do inglês morrer de fome, seguindo o método infalível (para o desastre) da Escola de Chicago.

Ah, dirão (e disse) os Mendes da vida, uma politica de estímulos pode fazer crescer 3% no primeiro ano mas não é sustentável.

É o dilema do moribundo: temos um remédio que não deixa o senhor morrer por um ano mas depois não garantimos.

Outra opção é um remédio que pode fazer o senhor durar dez anos mas não garantimos o primeiro ano, qual o senhor prefere?

QUALQUER CRESCIMENTO no primeiro ano é melhor para quem passa fome do que NENHUM CRESCIMENTO agora e um talvez daqui a dez anos.

REFORMAS, PRIVATIZAÇÕES E CONCESSÕES NÃO CRIAM EMPREGOS

Ao contrario, reformas, “privatizações e concessões MATAM empregos. Não significam capacidade produtiva nova, não melhoram o capital físico do País, o conceito de “corte de custos” gerou as represas implodidas da VALE, as privatizações viram negócio especulativo, de compra e venda de ativos. LIGHT RIO, ELETROPAULO, DUKE ENERGY, CPFL, OI, BRASIL TELECOM, USIMINAS, COSIPA viraram cartas de mega especulação, essas empresas privatizadas já foram compradas, vendidas e revendidas, nenhum emprego se criou. A Eletropaulo tinha 27.000 empregados na privatização, hoje tem 3.700.

Concessões de rodovias já construídas criam empregos de cobradores de pedágio, as reformas podem acrescentar mais eficiência em alguns sistemas mas não criam emprego em curto, médio ou longo prazo. NENHUM desses processos é detonador de crescimento e estão sendo vendidos como tal.

A REFORMA DA PREVIDÊNCIA É ENGODO SE NÃO CORTAR ABUSOS

Onde estão os cortes de abusos adquiridos (e ilegítimos) na Previdência? O fulano ganha pelo teto 33 mil reais, mas tem incorporado e transferido para a aposentadoria bônus de produtividade que se pagam na ativa mais 12 mil, mais outro penduricalhos mais 15 mil, o contracheque dá 60 mil, mas o desconto novo da reforma só incide sobre os 33 mil, não pega os adicionais, que também não aparecem no radar do abate-teto, com a nova incidência na reforma sobre os últimos 7 mil da aposentadoria “oficial” (33.000), o “sacrífico” não vai passar de mais 900 reais, em vez de 60.000 vai receber 59.100 e estão reclamando da reforma. SEM CORTE DOS ABUSOS a reforma é falsa no sentido de justiça social e perde uma de suas ancoras.

A ECONOMIA DERRETE

Há três meses os “de mercado” previam um BOVESPA de 100 mil pontos para maio, mas será que não têm capacidade de entendimento? Como a economia vai crescer com um projeto de Chicago? Paulo Guedes nunca enganou ninguém, é honestíssimo, suas convicções foram sempre expostas com clareza absoluta, NÃO HÁ POLITICA ECONÔMICA, é só mercado, está ai o Salim Mattar para explicar, é vender tudo que tiver comprador, que tal as praias e florestas?

A economia pode funcionar com 30 milhões de brasileiros com dinheiro, o resto que se dane, quem puder vai morar em Miami e vem aqui cada três meses para conferir a renda, é isso ai, todos foram avisados, ninguém do Ministério da Economia falou em crescimento não é mesmo?

Fonte: Carta Capital

Email this to someone

Tags:, ,